Blog da Pands

29/05/2009

CADEIRINHA

Esse foi um trabalho bem bacana. A VIVO mandou umas cadeiras para serem pintadas por vários artistas. Eu, MZK, Elisa Sassi e mais uma moçada. Agora elas vão ser leiloadas no MERCADO LIVRE, e toda a renda será revertida para INSTITUIÇÕES BENEFICIENTES. Eu pintei a minha e escolhi o GRAACC para ficar com a renda. O pessoal pediu para fazer umas fotos do processo, uma espécie de 'makig of'. São essas aí. Pra dar um lance, é só entrar em http://www.vivo.com.br/conexaocomonenhumaoutra/. Tá no 'flyer' aí embaixo. Quem dá mais?

Escrito por cg às 16h05

 ]  [ Envie esta mensagem ]

26/05/2009

TORAL

A REVISTA BRASILEIROS me pediu, pra edição deste mês,  uma resenha para o novo álbum do André Toral. Tá nas livrarias.

Quadrinhos com a força de Tupã


Por Caco Galhardo

Conheci o trabalho do Toral nos anos 1980, HQs incríveis sobre a Guerra do Paraguai. Tudo feito a lápis, desenho lindo; como diriam por aí, um moço de fino traço. Nome de peso do quadrinho nacional. Então abro o envelope que chegou pela manhã e tiro esta edição saída do forno de Os Brasileiros, seu último trabalho. Grande oportunidade para dar um shut down em toda a parafernália estúpida da vida e deitar no sofazão por umas duas horas com um quadrinho dos bons - com todas as despesas pagas, diga-se de passagem. São sete histórias. Os brasileiros são os índios que estão aí desde sempre e tudo gira em torno deles, mas os protagonistas são os gringos, que também desde sempre vêm ao Brasil para tirar uma casca. Nos contos inventados pelo Toral, eles invariavelmente quebram a cara, isso quando não são servidos de almoço para a rapaziada das malocas (Hans Staden que o diga). Mas é bom lembrar que quando falo em "contos inventados pelo Toral", estou me referindo a invenções de um historiador e antropólogo que resolveu se meter com algo ainda maior, os quadrinhos. André Toral é antropólogo e sua base é de muita pesquisa e conhecimento de história do Brasil. Obviamente, tudo desemboca diretamente na mistura de índios canibais com europeus salafrários. Mas note que é levado a sério, tanto que em um álbum de 88 páginas sobre índios, rolam, no máximo, uma meia dúzia de peitinhos e uma única curra. A meu ver, o único ponto baixo do belo livro do André Toral.

Escrito por cg às 22h53

 ]  [ Envie esta mensagem ]

CARTUM

Escrito por cg às 23h41

 ]  [ Envie esta mensagem ]