Blog da Pands

09/02/2007

Escrito por cg às 16h22

 ]  [ Envie esta mensagem ]

07/02/2007

COMO NÃO PARAR DE FUMAR



Acordo de manhã e lanço-me o olhar desafiador no espelho, hoje eu páro de fumar, está decidido. No caminho pra cozinha, o maço de Marlboro me dá uma piscadela de cima da mesa. Devo jogá-lo no lixo, mas boto na bolsa, afinal, não sou de desperdiçar minha grana, à tarde dou o maço de presente pra alguém. Tomo meu café e depois do café bate uma vontade filha da puta de fumar. Não devo. Por outro lado, por que ser tão duro comigo mesmo? A vida é muito curta. Entro em negociação, decido parar aos poucos. Só fumarei depois das refeições, um depois do café, outro após o almoço e o terceiro no jantar. Está decidido. Acendo o primeiro, fumo aliviado e vou pro estúdio. Deito-me no sofazinho pra pensar na tirinha do dia seguinte. Nenhuma idéia. O relógio não pára, o fechamento do jornal se aproxima e nada. Vai ser impossível criar essa tira sem um cigarro. Acendo mais um. Mando a tira e vou almoçar, maravilha, depois do almoço tenho direito a mais um. Garçom, uma Bohemia. Puta merda, vai ser foda tomar uma cerveja sem um cigarro. Entro em nova negociação, só fumarei quando sentar pra tomar cerveja. Está decidido. Acendo mais um. Depois do almoço, cafezinho e mais outro. Pronto, agora parei. Dou uma andada, volto ao estúdio. Vou desenhar uma página, sem cigarro não dá. Mais um. Vou folhear a revista, sem cigarro não dá, mais um. Bóto um som, sem cigarro não dá, mais um. Pausa para o cafezinho, sem café é impossível. Outro. Tóca o telefone e me informam da morte da bezerra, tenho que fumar mais um. Agora é o joelho coçando, motivo pra mais outro, caiu um alfinete no chão, mais um Marlboro, pelo amor de Deus! Chega! Vou pro bar. No bar não dá, não dá pra ficar sem fumar no bar, estou judiando demais de mim mesmo, mereço uma trégua, garçom, mais um maço! Chego em casa tarde, depois de trezentos e oitenta Marlboros, a camisa fedendo, o cabelo fedendo, tudo fedendo, o único traço que me diferencia do cinzeiro é o peito ofegante. Não posso mais ver cigarro na minha frente. Hoje foi foda mas amanhã eu páro, está decidido, amanhã é o dia. Amanhã eu largo o cigarro. Está decidido. Puta merda, então tenho pelo menos que fumar o último, meu último cigarro. Vou largar amanhã, então tenho direito a um último cigarro. Cato o isqueiro. Click, fssssss, puffffff!

Escrito por cg às 17h54

 ]  [ Envie esta mensagem ]